Tendências de marketing em 2019

Tendências de marketing em 2019

Marisa Costa
2019-09-05
O grande objetivo do marketing é satisfazer as necessidades do mercado. O nosso objetivo é dar-te a conhecer o que podes fazer para a tua empresa se destacar este ano.

E-commerce

O comércio eletrónico é cada vez mais uma importante ferramenta para as marcas. As compras online aumentam de dia para dia e por vezes a afluência é tanta que origina quebras nos websites e plataformas de e-commerce. As empresas tem apostado nesta modalidade de compra devido à facilidade de envio para qualquer parte do mundo, sendo uma mais valia de acesso para o cliente. Os preços baixos e as reduções são também motivadores de compra, assim como a disponibilidade de poder comprar a qualquer hora.  Em Portugal, o comércio eletrónico em 2017 rendeu cerca de 4,73 mil milhões de euros, um crescimento anual de 12,5% segundo a E-commerce Foundation. Fazendo uma estimativa, 4 em cada 10 portugueses já fez compras online. É um número que tende a aumentar, principalmente no setor da moda. Resumindo: se queres acompanhar o mercado é praticamente obrigatório teres uma loja online.


Vídeos 

O conteúdo em vídeo tem se demonstrado essencial para todas as empresas. Cerca de 81% das empresas utilizam vídeos como ferramentas de marketing, tentando captar a atenção do cliente e posteriormente impulsionar a compra. Estudos apontam que os vídeos são responsáveis por 85% do tráfego total na Internet em 2019. Portanto, apostar neste tipo de conteúdo é sem dúvida uma vantagem para a qualquer empresa. A maior plataforma online é o Youtube e conta com cerca de 1,5 biliões de utilizadores. Uma tendência relativamente recente é fazer vídeos ao vivo e em direto nas redes sociais. As empresas podem mostrar os seus produtos ou serviços, transmitir eventos, testemunhos de colaboradores e tudo aquilo que acharem que se adequa para se aproximarem dos seus clientes.


Influenciadores

Os consumidores procuram autenticidade, qualidade e confiança. E as marcas tem que conseguir arranjar quem seja capaz de transmitir esses valores ao mercado. Para esse efeito, as marcas a associam-se a influenciadores digitais, com o intuito de promoção e recomendação dos seus produtos e serviços através das redes sociais. Normalmente, os influenciadores são caras conhecidas do público. Celebridades, youtubers ou instagrammers. Eles convertem-se em opinion makers, ou seja “fazedores de opinião”. São eles que vão convencer as pessoas com a sua experiência e são responsáveis por criar uma boa imagem da marca que estão a promover. Estes influenciadores contam normalmente com uma comunidade de seguidores online e são vistos como uma oportunidade para das marcas poderem alcançar aquele público.


Chatbots 

Com os avanços da Inteligência Artificial a vida do ser humano tornar-se-á muito mais facilitada. Os chatbots tem a finalidade de ajudar as empresas com os seus consumidores online. São programas de computador que ajudam na comunicação. Tentam simular o ser humano em conversações com pessoas. Falam com os clientes, ajudam no processo de compra, esclarecem dúvidas e tem a vantagem de serem super rápidos porque estão sempre disponíveis. O tempo de resposta é instantâneo e por vezes são muito simpáticos e carismáticos.  Segundo a revista Forbes, já existem dezenas de empresas que usam chatbots tanto para interagir com os seus clientes como para receber pagamentos. Parece ainda um bocado estranho mas o processo é bem consistente. Inicialmente, é construído um banco de dados com perguntas e respostas frequentes, vocabulário próprio e muitos outros elementos que são incorporados no chatbot para que de seguida ele consiga encontrar a solução ao problema que lhe é apresentado.


Estratégia multicanal

O objetivo é conseguir alcançar o maior número de pessoas. Mas para isso não chega estar numa só rede social ou plataforma. É necessário ampliar a rede de canais, de meios e de estratégias. Com a quantidade de conteúdos e plataformas que hoje em dia temos é difícil concentrarmo-nos em apenas uma. A atenção é partilhada e fragmentada. Deste modo, convém que se invista numa comunicação eficaz e é necessário marcar presença.  As marcas não podem cair no esquecimento. Não se podem deixar ultrapassar pelos seus concorrentes, pelo menos os diretos. Um dos maiores trunfos e mais complicados de realizar é fidelizar o cliente. É preciso ter uma presença notável nas redes sociais (em várias) e ter uma boa ligação com o cliente, resolvendo os problemas e as reclamações, se existirem. É obrigatório passar sempre uma boa imagem da empresa e dar a volta ao assunto, mesmo que seja algo terrível. 


Privacidade

Uma das principais preocupações dos consumidores é a sua privacidade. Quer na internet, quer em espaços físicos. Sempre que pedes dados pessoais dos teus clientes tens que ter o maior cuidado. Recentemente o caso que envolveu o Facebook e a consultora Cambridge Analytica no no uso indevido de dados de mais de 80 milhões de utilizadores deixou todos em alerta. As marcas tem que estar conscientes das regras e dos riscos associados ao uso de dados pessoais. Por isso, a forma como as informações são recolhidas, guardadas e partilhadas deve ser responsável e de acordo com a legislação em vigor.